NO AR!

Show de Bandas

Com Diego Luis

Arrecadação de impostos atinge R$ 165 bilhões em maio, melhor resultado para o mês desde 1995

Resultado corresponde a uma alta de 4,13% acima da inflação, na comparação com o mesmo mês de 2021, mostra Receita Federal.

23 de Junho de 2022 15:00

A arrecadação de impostos e contribuições federais no Brasil somou R$ 165,333 bilhões em abril, de acordo com informações divulgadas nesta quinta-feira (23) pela Receita Federal. O resultado é o melhor para o mês desde 1995, ano que marca o início da série histórica.

O montante corresponde a um acréscimo real (acima da inflação) de 4,13%, na comparação com maio de 2021. No período acumulado de janeiro a maio de 2022, a arrecadação alcançou o valor de R$ 926,650 bilhões, também a maior da história para os cinco primeiros meses do ano.

No mês, a Receita Previdenciária teve arrecadação de R$ 43,521 bilhões, com alta real de 9,4%, variação explicada pelo aumento da massa salarial e pelo bom desempenho da arrecadação do Simples Nacional em relação a maio de 2021.

O maior salto acima da inflação, de 59,5%, no entanto, ficou por conta do imposto sobre a renda retido na fonte, que respondeu por R$ 5,8 bilhões de todo o valor arrecadado no mês passado. O desempenho é atribuído aos acréscimos nominais de 292,92% nos ganhos com fundos de renda fixa e de 159% em aplicações de renda fixa.

Já a soma do valor arrecadado com o PIS/Pasep e a Cofins alcançou R$ 32,3 bilhões em maio, com crescimento real de 5,77%. A alta foi motivada pelo aumento do volume de vendas do comércio e pelo bom desempenho do setor de serviços no período. Também contribui para o resultado o bom desempenho da arrecadação do setor de combustíveis e do comércio varejista, além do decréscimo de 10,47% no volume das compensações tributárias em relação ao período anterior.

A arrecadação com as receitas federais administradas pela Receita atingiu o valor de R$ 165,333 bilhões em maio e de R$ 908,551 bilhões no acumulado do ano, valor corresponde a uma variação real (acima da inflação) acumulada de 7,5%.

Fonte: R7

Recomendar correção

CORREÇÕES

voltar